11 de jun de 2010

Um conto

Ele correu tanto que as pernas não respondiam mais. Seu cérebro dizia: corra, corra, pois você vai morrer. Mas as pernas sucumbiram ao cansaço. - Pelo amor de deus, corra, corra seu estúpido. Não olhe mais para trás, apenas corra.

Mas ele torcia o pescoço ensanguentado e olhava; desesperava e gemia. Agarrava as raízes à sua frente, tentando arrastar seu corpo. - Seu estúpído, do que adianta trinta centímetros por minuto? - o cérebro brigava consigo mesmo.

Então enfureceu-se e agarrou uma pedra qualquer. Fez questão de sentir se era pontuda o suficiente. Golpeou o cérebro cinco vezes, exatamente. - Idiota, isto é suícido!

Preferia toda esta dor, todo este masoquismo, a ser ser devorado pela besta.

(CONTINUA)

10 de jun de 2010

Poetanto (5)

Lapiseira
Caneta
Ou giz de cera

Na mesa

Queria
A sobremesa

Desenha
Resenha
Desdenha

Cozinha
Coisinhas

Que tal brigadeiro?
Com algum tempeiro?

8 de jun de 2010