10 de mar de 2011

Na avenida, nós e a chuva

O carnaval não fora como o esperado, haja vista que a chuva que só deu trégua na quarta-feira. Para os que curtiram o feriado no lar, a água caiu do céu sem maiores problemas. Mas para os senhores e senhoras que aproveitaram as festividades ao ar livre, o obvio é que eu não posso responder por vocês.

Para aqueles que ficaram no silêncio de suas casas, sem a TV ligada no desfile multicolorido, pensando, arrisco dizer que a mente não parou. Aquela nostalgia de rotina, que hora se arrepende do que não fez e planeja aquilo que poderia ser feito de melhor. Denominada insônia que nos puxa até a madrugada para fora de nossas camas.

Os livros são trocados pelos pensamentos. E aquela TV com suas cores vibrantes e seus desfiles, hipnótica, está desligada. A época de ver tais alegorias já se foi.

A opinião se ainda não é clara, brota entre as letras. Prefiro o silêncio e uma mente fervilhando de teorias a senhores e senhoras em seus desfiles. Cada um com sua mania.