20 de fev de 2010

Sóis

E quando o sol acabar a unica força capaz com tamanho calor será seu coração de amante incondicional.

Uma grande mentira.

Ele andou vários quilômetros em busca daquela que a marca deixou em um coração antes enrijecido de tédio. Caiu exatamente a trinta centímetros do alvo. E o coração parou tão fácil como uma vela que cai no oceano.

O sol de seu peito desabou e então ele pode contemplar como era estar preocupação alguma. E esqueceu o motivo que rodeava sua vida.

Acordou assustado e olhou pela janela. Checou o relógio e constatou que eram três da tarde. Olhou pela janela e para o relógio, constatou novamente: não havia sol, nem algo que conhecera. Os passarinhos cessaram o cantarolar e as pessoas andavam cegas pela sua rua. Passou a mão no peito e sentiu-a atravessar seu corpo. Havia um buraco onde o sol haveria de estar. E sem sol e sem amor, ele pereceu deslumbrando pessoas cegas andando na calçada de sua rua.

Mas sempre há outro sol para guiar alguém, sol o qual desaparecerá em breve. Pois eis a regra do amor, dos sóis e das chamas de uma paixão: nada é eterno. No fim, morreremos contemplando pessoas cegas andando na calçada de nossa rua.

18 de fev de 2010

Sinceridade

Vomitei palavras que devem ser desprezadas, pois são nojentas como verdadeiro vômito. Sonhei que dizia essas calúnias para ti e não me arrependi.

Peguei um pedaço de papel e escrevi tudo o que  me dera vontade, circulando os pontos principais - os quais concebera em sonho.

Falei tudo e me cuspiu no rosto. Retribui com um tapa e um breve grito de ódio. Logo estávamos brigando na lama como porquinhos em uma fazenda lotada de turistas. A platéia não perdoa quem adere à luta livre no meio de um ambiente social. Eles gostam, gozam e se divertem mais do que assistindo ao seu programa de comédia preferido.

O mundo real é mais divertido que minha estúpida televisão...    

15 de fev de 2010

Pesares

Contagiei-me pelos pesares provenientes das intermitentes dores de tua alma. Por causa de tanto, agora vivo pescando ilusões em oceanos inóspitos.

Estou às cegas em um mundo escuro, meus olhos mergulhados em um grande vidro de azeitonas. Afinal, para que precisaria deles?

Tudo isso não é em vão, pois palavras tortas são as palavras corretas.