17 de fev de 2012

O inventor de orvalhos

Chovera breve durante a madrugada e, ao acordar, ainda avistou as árvores úmidas. Sentiu alguma saudade e desejou que chovesse durante todo o dia, mas o sol castigou aqueles que andavam pelas ruas e a ele também. Sentira tanto desconforto que desistiu do trabalho e bolou um plano para acabar com as tardes quentes e áridas. "Vai ser sensacional", cochichou com dúvida. "Vai, com certeza!", gritou com ânimo.

Rabiscou papéis, paredes e móveis. "É isso!", disse com dúvida. "É certo", cochichou, expressando certeza. E Costela com as orelhas atentas, ouvindo. 

"Venha, Costela!", "É hora, é hora!". Ele e o cachorrinho embarcaram na banheira. Geringonças ativadas e botões piscando. "É hora!", "Já está tarde!". Era a máquina da chuva. A casa encheu d'água, os móveis boiavam. Costela, agitado, se agarrou ao esfregão e viajou entre os comodos do pequeno apartamento.

Amanheceu, o prédio de 10 andares reluzia d'água. Ele, ao acordar, susurrou aliviado: "Veja, Costela. Muito mais fresco!". O amigo latiu, e foi dar uma volta de esfregão.

15 de fev de 2012

O cupido e a ascensão individual

Citações impopulares:

"O segredo de boas relações e reputação relevante não reside em atitudes bondosas ou solidárias. A receita está forjada na capacidade individual dos indivíduos, compreendida na possibilidade de doar características singularmente cativantes".

"Relacionamentos não são desvendados com livros e conselhos de familiares. Dependem da construção de seu intelecto e da relação dele com as pessoas. Então está tudo confinado em um âmbito complexo, um emaranhado de experiências e bom senso. Livros e conselhos são frios".

"Fingir é falho. E o que é falho é descoberto. Por tanto, o que vale é mediar sua capacidade de conquistar indivíduos".