15 de jul de 2011

Diving

O mar ainda não está para peixe, mas não faltam regalias de todos os tipos. Alimentos temperados a ouro, festas épicas e bebidas divinas. Por isso, sou contra a procriação em laguinhos. Talvez mais rentável, mas prejudicial em outros pontos. O mar é que está com quase tudo, menos com público.

Preocupa-me poluição. Areias escuras e lixo nas encostas. Então, sabe-se lá o que espera por baixo da água.

Lagos serenos e limpos, mares desafiadores. Entretanto, já que nesse caso facilidade não é regalia, apostemos no oceano. Felicidades e fatalidades em dose única.

Nota do dia XIV

Olho, releio e olho. Por aqui, apenas me vejo.

14 de jul de 2011

Questão de bom gosto

Depois de algumas tardes frias o tempo esquentou. Pessoas agora têm desculpa para usar óculos sol, o céu não mais está nublado e a luz já incomoda os olhos.

Lentes escuras são acessórios para o ego, acredito. Comprovo, pois surpreende um céu fechado, a cidade na penumbra e indivíduos mascarados de óculos de sol.

Não culpo o costume, haja vista o fato de que um país tropical há de apresentar muito sol em seus meses. Culpo a vaidade, esta a qual deixa as pessoas ridículas de vez em quando.

Acusariam de questão de opinião. Pois é, em um blog pessoal e nada factual, a opinião conta bastante.

11 de jul de 2011

Nota do dia XIII

Rosas murchas em seus cadernos - mumificação de lembranças. Lembrar ou não lembrar, como não fazer ou como fazer.

10 de jul de 2011

Estado de situação

Deparo-me com cursor piscando, luz apagada e canção aleatória em minha playlist. Entende-se que o suposto cursor anda para a direita, deixando letras no caminho percorrido, da direita para a esquerda e ao som da música.

A música não deveria interferir no conteúdo, mas assim não é e disfarçar é em vão.

Não há muito tempo fui surpreendido com a pergunta de que seriam apenas jornalistas que tinham blogs. Queria responder educadamente que atualmente não fazia diferença, todos poderiam ser contratados como esse indivíduo. De fato, um assunto irrelevante para mim e extremamente mastigado ao ponto de ser irritante. E, é claro, não fui indelicado e apenas permaneci em silêncio e parti. Não pareceu errôneo em comparação à grosseria que me sairia antes.

Vejo meu cachorro estacionado nas escadas.

Gosto de cachorros pois você pode perguntar algo e imaginar a resposta. Daí você olha nos olhos do animal e sempre pensa que ele gosta muito de você, sempre concorda com tudo, sempre atento, sempre pulando por aí. Espécie de sobrevivência. A dependência leva a loucuras. Acredito. De fato, ele gosta muito de você. E não duvide senão ele te morde. Mas as pessoas também mordem.

Ter animais de estimação é saudável.

Acho que gosto de cursores e de penumbra em meu quarto, alguma coisa já corrente no sangue. Desconheço toxinas, desconsiderando a cafeína. Na verdade, não sei o que ela seria. Bem, de vez em quando gostaria de possuir um pensamento linear. Mas eu me viro com este aqui.